quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

O que vier à cabeça...


Gente, gente...
Vou fazer uma brincadeira...
Olhar o céu, sorrir e escrever o que vier à cabeça.
Topam? Então, lá vai...
.
Entre as chamas quentes do amor,
Azul, repousa esse meu desejo...
.
Sob um lindo lençol de vida.
No aconchego desse meu criar
As chaves de estúpidas cavernas
descarregam seu pastor.
.
Que loucura...
.
Nesses grandes rasantes do céu.
No jardim de abóboras satânicas,
meu olhar, já perdido,
brilha alto, entre esse véu.
.
Da flor e do amor, fica o perfume.
Do poeta, feliz ou não, fica o sublime. (Rosa, lembrei).
.
Nasci, Nasci, sou livre e quero voar.
No caminho de amor e pelo tempo deserto.
Assim, e por entre as árvores, brotar.
.
Pois é, o mistério de frente. Clamando por justiça.
Para mim, para você e para que voemos
por toda verdade do que sentimos.
Claro, sempre que possível.
.
Pois, na dura luta, rumo a conquista universal,
uma batalha macia e uma muralha que grita:
Deuses e homens presos no mesmo barro.
.
Gostei. Achei interessante. Foram 2:33 minutos...
Achei incrível essa brincadeira.
Pensei: Acho que vou aproveitar no blog.
Helô, muito obrigado pela boa inspiração.
.
Um grande beijo,
.
Maü Cardoso.

2 comentários:

  1. Dri, me anjo...
    Quer saber, foi um interessante exercício de criatividade.
    Um beijo grande,
    Maü Cardoso.

    ResponderExcluir